terça-feira, 29 de maio de 2012

MAIS ISADORA CANTO... Cantando pra seu bebê II



EU ARRUMO TODO NOSSO LAR...
ME ARRUMO SÓ PRA TE ESPERAR





 ouça mais:





CONHEÇA O PROJETO ACALANTO 

FUNDADO EM 2005 POR ISADORA CANTO



clique:    http://www.projetoacalanto.com.br/




MAIS sobre ISADORA CANTO:





Isadora Canto
Nascida no Rio de Janeiro em 1975, estudou canto lírico na USP com Fernando Coutinho e canto popular com Regina Machado, Ná Ozzeti e Elizabeth Amin. Em sua experiência no exterior, teve aulas de canto e improvisação em Oregon sob acompanhamento de Miss Corder. Integrou o Sheldon Choir (1991 – 1992), assim como o coral da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre - OSPA (1994), o CORALUSP (1996 a 1998), grupo vocal Da Boca Pra Fora (1995), o qual apresentou-se em turnê pelo Rio Grande do Sul e grupo de Percussão Corporal Barbatuques. Em 1996, fez aulas de piano popular no CLAM e erudito no Conservatório Porto Alegre -RS onde lecionou violão.
Já se apresentou como cantora solo em cidades como Porto Alegre-RS, Rio de Janeiro, Paraty-RJ, São Paulo e interior paulista, também fazendo algumas apresentações na televisão como nos programas Domingão do Faustão e Jô Soares.  No Rio de Janeiro, fez a abertura do show de Paulo Moura. Foi responsável pela direção musical do piano bar Margarida Café em Paraty-RJ. Em 2001 formou-se em Música pela faculdade Santa Marcelina, como Bacharel em Canto Popular. Entre 2000 e 2006 lecionou aulas de canto em diversas escolas de São Paulo como Auê, Barulho Bom e Chromazonne. Em 2005 fundou o Projeto Acalanto de vivência musical para gestantes incluindo lançamento do CD “vida de Bebê”, lançado pela gravadora Azul Music.

INFORMAÇÕES:

CONSERVATÓRIO SOUZA LIMA: 

Fone: (11) 3884 - 9149
E-mail: souzalima@souzalima.com.br
Endereço: Rua José Maria Lisboa, 745 - Jardins - São Paulo - SP

Souza Lima Ensino de Música – Moema
Telefone: (11) 5093-9144

E-mail: souzalima@souzalima.com.br


Fonte:


http://www.souzalima.com.br/professores/isadora_canto.htm



ISADORA CANTO - RECONHECIMENTO - CANTANDO PRA SEU BEBÊ I



É COMO SE EU TIVESSE ESPERADO 
TODA VIDA PRA TE EMBALAR...




sábado, 26 de maio de 2012

DE REPENTE, MÃE... BY PRODUTORA FRAME



PORQUE DIA DAS MÃES É TODO DIA!!


video







Homenagem para o dia das mães, cada uma com sua particularidade porém todas o que prevalece é o amor incondicional.
Feliz dia das mães!
Depoimento real:
Luiza Abdalla, 21 anos
Anita Abdalla, 4 meses





sábado, 12 de maio de 2012

FELIZ DIA DAS MÃES!



Cartão do Dia da Mães da Paróquia de N.Sra.de Fátima de Boa Viagem - 2012

Foi uma surpresa agradável ver que no cartão oferecido as mães na Paróquia de N.Sra. de Fátima de Boa Viagem, foram agregadas imagens do nosso Projeto Gênesis;
Projeto que tem como maior objetivo, acolher as gestantes carentes, orientando-as
prática e espiritualmente para receber uma nova vida;
Filhos, presentes que trazem luz e nos ensinam o exercício do amor e da doação;
que dão um tom e um sentido maior a nossa existência...




Ao Pe. Bosco:


Em nome de todas as pessoas que fazem o Projeto Gênesis, incluindo , claro, todas as mães que passaram e ainda passarão por esta ação social, queremos registrar o nosso desejo de que a graça de Deus e Nossa Senhora, continue abençoando e permitindo a continuidade do nosso trabalho que vem sendo apoiado por esta paróquia, abraçando desde o princípio, esta iniciativa cristã. OBRIGADO!




Projeto Gênesis - Terapia Comunitária





Um pouco mais sobre os benefícios da Terapia Comunitária

“quando a boca cala os órgãos falam, quando a boca fala os órgãos saram”

A experiência da Terapia Comunitária é muito positiva. O Grupo Gênesis usa desta prática para discutir, sublimar e trocar vivências entre as gestantes; em uma terapia como essa todos saem ganhando. Os mediadores e orientadores da prática acabam por se "tocarem" e afirmam ser beneficiados pelas experiências ali vividas. É um momento de entrega, humildade, crescimento e muita generosidade; ajudar uns aos outros expondo nossas fragilidades...


A notícia abaixo refere-se a experiência de um grupo de pessoas que se propuseram a participar em uma Roda de Terapia Comunitária em um parque de São Paulo, sendo essa ação uma prática do lugar.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Como funciona a roda da terapia...

Em uma roda de terapia comunitária qualquer um que sentir vontade pode falar, desabafar um incômodo, o que está lhe tirando o sono, mas é eleita uma questão apenas. A partir daí, as outras pessoas podem perguntar para compreender melhor o caso e compartilhar suas experiências. E, é a partir desse leque de relatos, que cada um vai tirando o que é proveitoso para sua experiência individual, para lidar melhor ou mudar de perspectiva em relação aos seus próprios problemas.
Neste contexto, os terapeutas comunitários atuam como mediadores. Procuram estimular a partilha de experiências de vida que promovam uma transformação e, ainda, valorizem o saber produzido pela vivência de cada um.

“O interessante é que ao escutar o outro falando muitas vezes a pessoa se dá conta de quantos recursos tem para a vida que não percebia. Essa troca resgata a autoestima das pessoas”, relata a psicóloga, doutora em psicologia clínica e terapeuta comunitária Marilene Grandesso, também coordenadora do polo de formação em terapia comunitária Interfaci.
De acordo com Marilene, ao ter seus saberes e competências reconhecidos, as pessoas se sentem mais fortes, mais capazes para enfrentar os desafios e as dificuldades da vida.



Alívio do sofrimento

Os benefícios, entretanto, variam de acordo com o grupo atendido, mas na maior parte das vezes há um sentimento comum; o alívio por desabafar.

Lucia M. S., de 39 anos, relatou um caso de conflito familiar sério em uma das rodas de terapia comunitária de São Paulo. Nem sua família, que mora no Piauí, sabe o que ela está passando. “Às vezes eu deito e penso o que será da minha vida, hoje mesmo cheguei aqui com muita angústia, e saio com mais força e coragem após ouvir o depoimento das pessoas”, conta. A filha de Lucia, Luana S. M, de 15 anos, também estava na roda e diz ter saído do encontro com mais coragem, força de vontade e com a certeza de que “nada é como a gente quer”.

Lucia não teve o tema eleito e, mesmo assim, pôde se beneficiar das histórias das pessoas. De acordo com Marilene, “vivemos nossas vidas de acordo com as histórias que construímos sobre as experiências vividas. A história dos outros faz com que revisitemos as nossas próprias histórias”. E isso pode trazer um novo ponto de vista e perspectiva da situação.
As vivências dos outros podem dar pistas de superação, às vezes ficamos tão focados no problema que não vemos mais solução.


Fonte:

http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2010/11/05/terapia-comunitaria-traz-alivio-ao-sofrimento-causado-por-conflitos-emocionais-e-familiares.htm

NO TEMPO DA PÁSCOA...





 “O Senhor esteja convosco” é: “Ele está no meio de nós!”



www.google.com


Fazemos mais uma trajetória acompanhando o Tempo da Páscoa. Uma das expressões que aparece sempre no meio dos cristãos quando diz: “O Senhor esteja convosco” é: “Ele está no meio de nós!”. Isto é um fato de fé, que vai além dos conhecimentos simplesmente racionais e científicos. É a presença de Alguém que passou pela experiência da morte e agora está vivo. Esta realidade da presença de Jesus Cristo foi provada e testemunhada pelos primeiros cristãos, pois o próprio Cristo comprovou sua identidade de ressuscitado aparecendo para os diversos grupos reunidos em seu nome. É o maior dado da fé, fundamentado nas palavras dos textos bíblicos, com destaque especial nos Atos dos Apóstolos e escritos do Novo Testamento. Acreditar na presença viva de Cristo implica consequências para as comunidades cristãs. Uma delas é estar diuturnamente alimentando sua fé. Não basta que ela seja dom de Deus, recebida no batismo, mas tem que ser trabalhada e atualizada na prática dos relacionamentos, na partilha e na solidariedade. Além disto, a fé em Cristo vivo e presente tem que ser transformadora da sociedade. A ressurreição de Cristo não exclui o lado humano, mas isto é assumido por Ele de forma determinada. Sua divindade foi caminho de resgate e de elevação de toda a humanidade, dando possibilidade às pessoas de participar da vida divina. Entendemos isto como um processo de transformação e de ascensão na atuação e na vida comunitária. O dom da vida divina passa a ser uma conquista a partir da decisão e da atuação concreta de cada pessoa na construção do Reino de Deus.Tomé não estava presente no grupo dos apóstolos quando Jesus ali aparece como ressuscitado. Ele não quis acreditar, exigindo ver para crer. Esta é atitude de uma sociedade de marca positivista, que só acredita naquilo que pode ser tocado e comprovado pelos sentidos. Mas Cristo revida dizendo “felizes aqueles que acreditam sem ter visto”. Logicamente que isto supõe atitude de abandono nas palavras de Deus e na convicção de fé.
D.Paulo Arcebispo de Uberaba/MG e Administrador Diocesano de São José do Rio Preto